Misael Dantas: “A rodovia SE-470 precisa de um recapeamento urgente, Sr. governador”

O clamor da população de Estância estaria sendo manifestado no deserto se não fosse os incontáveis pronunciamentos dos vereadores  na Câmara, no que tange a situação ruim da rodovia que liga a sede do município ao litoral estanciano.

Esta semana o vereador Misael Dantas (PSC), líder do prefeito, no uso do grande expediente, cobrou do governador do Estado à devida atenção para com aquela estrada tão utilizada no dia-dia dos estancianos e visitantes – SE-470.

– Eu trago esse assunto para esta tribuna porque é de competência do Estado.  O Estado deve reformar recapear, revitalizar aquela rodovia, porque é da competência do governo – disse Misael.

Transitar pela Rodovia SE-470 assusta – trecho da BR-101 à sede da CPRV -, rodovia que leva ao litoral estanciano (Abais, Saco, Porto do Mato), condicionada da ausência de acostamento, sinalização adequada, com ondulações; uma situação que coloca em risco a vida de todos os transeuntes.

Em seu egrégio discurso, o parlamentar classifica a referida rodovia como uma das mais perigosas do país.

“Eu dou aula aos alunos do Porto do Mato. Todas as noites eu vou ao Porto do Mato e para eu não transitar pela aquela rodovia, tenho ido por Terra Caída. Eu quero me somar ao meu colega, vereador Edivaldo da Praia, que tem abordado nesta Casa este assunto por muitas vezes e parece que esta Casa está pregando no deserto, nesse viés, Estância não tem sido ouvida”, continuou.

Misael Dantas ressaltou que o assunto em tela é uma realidade que coloca vidas em perigo diariamente.

A rodovia que leva as nossas praias está provocando sérios riscos à segurança das pessoas tais como os alunos que vêm de ônibus para cidade, as mangabeiras, as marisqueiras, os pescadores e todas as pessoas que vêm à feira vender seus produtos, transitam diariamente desafiando o risco – disse.

“A rodovia precisa urgentemente de um recapeamento asfáltico, senhor governador! Não estou personificando a pessoa do governador Belivaldo Chagas, mas o Estado precisa voltar o olhar para a rodovia do Abais. A rodovia que faz acender o turismo estanciano é ruim, assusta, está numa situação vergonhosa”, concluiu.

 

Ascom CME